Ali pra fevereiro ou março desse ano, a Michele me apresentou um TED da Brene Brown. Mais especificamente, um video que a tornou famosa e eu, vendo aquilo tudo, entendi muito bem porque.
.
Na verdade, não conseguia era entender como ela só se tornou famosa ali.
.
.
.
(Na verdade entendi e entendo sim)
.
.
.
Mas, o fato é que, ela tem uma pesquisa maravilhosa e faz praticamente um trabalho profundo e questões como a vergonha, coragem, a autenticidade e, onde mais me toca, a vulnerabilidade. Ela tem um trabalho muito poderoso e desde então, tenho devorado vídeos e mais vídeos dela e textos e sites pois estou tentando me auto-ajudar nesse desconstrução das minhas cascas e trabalhar o permitir-se:
. amar
. errar
. viver
. sorrir
. cair
. levantar
. arriscar
.ser feliz.
.
eu vinha numa pegada já, desde o final do ano passado, de desconstruir essa coisa de ser fortaleza.
terapia, coaching, espiritualidade, tudo confrontando e se integrando pra eu compreender e ACEITAR que eu não sou uma fortaleza.
E que está tudo bem com isso.
Afinal, sou humana e não tem nada errado com isso.
Não serei menos por isso.
Enfim.... um trabalho que parece fácil mas, que não está sendo tanto assim.
Deixar as travas todas de uma vida inteira para permitir-se realmente amar e não só isso, permitir e deixar-se ser amada.... amiguinhos, que missão! :-D
.
.
.
Brené tem essa trabalho maravilhoso e espero poder vir mais e escrever mais sobre o trabalho dela em si, sobre os despertares que tenho tido. Espero realmente que isso aconteça. Mas, eu precisava deixar isso aqui registrado.
Vou deixando esse link aqui nesse video dela (que tem captions em português, viu?)
The power of vulnerability | Brené Brown
Conviver em sociedade é um desafio. Trabalhar em grupo também. Fazer parte da massa é um exercício de humildade e se destacar dentro de todo esse contexto é não só um desafio como uma prova constante a testar seu ego, suas estruturas emocionais, sua sanidade. Sua auto-estima.
.
.
Eu tô falando mais concretamente do que eu observo dentro da comunidade que faço parte, do Airbnb. Durante o último ano... Um ano precisamente... Durante esse ano eu fiz muitas coisas e as portas que me foram abertas lá, me levaram pra lugares não imaginados.
.
Foi uma mesa de café da manhã com o Joe Gebbia. Foi fazer webinars live em inglês, foi dar palestras e aulas pra 100, 150 pessoas e fazer apresentaçãozinha humilde num evento tipo TED mas que consumiu um trabalho em grupo com estrangeiros, online, durante quase 3 meses, teve Los Angeles, teve Stuart....... Sem contar as atividades e eventos locais, as Olimpíadas, entrevistas. Teve escaladas, sessões de fotos diversas e uma rede de muuuitos anfitriões e hóspedes que passaram a fazer parte da minha vida de forma muito mais profunda que simplesmente "anfitriões" e "hóspedes". .
.
Cara... foi um momento da minha vida.
Vivi pra entender que é possível eu fazer um monte de coisas.
Vivi essas possibilidades.
Portas de conceitos e ideias novas se abriram pra mim: colaborativos, criativos, econômicos, novos modelos de negócios, comunidades, pertencimento, startups... tudo muito junto a uma mudança de perspectivas e modo de ver o mundo pessoal e profissionalmente.

Me fortaleci. Me fortaleci muito.
Nesse ponto o mérito não é só do Airbnb mas, de todas as minhas ações e das pessoas que me circundam, que estão me dando apoio e suporte. Me fortaleci e hoje posso dizer que o que restou dessa comunidade, não é nem mais tão legal. Eu acho que pegamos a era de ouro, rsrs.... Vivi um momentinho de auge com o grande evento, a abertura de mercado, o fortalecimento da empresa deixando de ser startup e ganhando real visibilidade no Brasil. Vivi o melhor momento até agora, 2017.

E agora deu. Preciso de um tempo e de caminhar sozinha.
Me preparar pras coisas novas que estão chegando.
Nada de grupos, nada de comunidades, nada de tirar o foco daquilo que anseio, preciso e desejo.
Foco.
Atenção.
Ação.
É curioso que ainda assim esse blog não dê conta de registrar tudo que me acontece. Impressionante.
Mas, a gente continua tentando. Vamos nessa.


Quem tá próximo de mim, sabem que engrenei nas loucuras do detox Whole30. Comentei nesse post aqui, também, de leve.
.
A proposta dos caras é super radical: ficar 30 dias sem consumir absolutamente nada, nada, NADA de açúcar + farinhas (zero glúten) + derivados de leite (com ou sem lactose) + leguminosas (incluindo soja, grão de bico, lentilha, feijão) e nada que lembre guloseimas como panquecas, muffins e bolinhos. Os maiores enganos que eles permitem são salgados: macarrão de abobrinha, arroz de couve flor, hamburguer de vários tipos de carne moída com "pães" feitos com rodelas grossas de berinjela, batata doce ou shitake.
.
Passei natal e Ano Novo nesse esquema, ou seja, não vi nem cor de rabanada.
.
Foi assim que me vi prostrada na cama durante a primeira semana, sem ânimo de sair da cama simplesmente porque o corpo sofria a falta de açúcar (embutido em alimentos que eu nem imaginava), a falta de farinha e amidos vários.
E foi assim que decobri que os chocotones falavam comigo.
.
Mas, depois silenciaram.
.
Senti muito a desintoxicação.
Senti e briguei muito, mentalmente (e às vezes por escrito num grupo de whatsapp que eu fazia parte), com as regras. Em todo caso, fui muito amiga da minha proposição de manter a linha e o desafio....até o dia que cansei.
.
E esse dia foi, não oficialmente, o 23o dia.
Eu tinha discutido com uma amiga desse grupo de zap. A postura dela era muito de demonizar os alimentos para sustentar as próprias opções e ao mesmo tempo se colocar em posição de "melhor que as outras pessoas" por estar fazendo escolhas saudáveis pra si. Ou seja... bem infantilóide mas, aquela conversa mexeu muito com a minha cabeça. Eu não queria ter que demonizar nada para poder ter as minhas proposições e escolhas.
.
Afinal de contas, nesse mundo louco, eu posso fazer escolhas.
Tendo grana ou não, estou podendo ME PRIVAR de alimentos que eu ESCOLHO, não é?
.
E eu não tenho o objetivo de me sentir melhor que ninguém pra eu me sentir melhor comigo mesma.
Não preciso disso.
Então, resolvi parar ali no 24o dia. Li diversos relatos de pessoas que simplesmente acharam as regras impossíveis, difíceis demais, desnecessárias, que tiravam o prazer de comer, etc etc etc. Minha escolha não se embasava em nada daquilo. E por isso tô aqui escrevendo.
.
Eu posso dizer que nesse período, descobri muito sobre meus hábitos, gatilhos de compulsão (que eu nem sabia que existiam), sobre restos de comida (mães entenderão) e o quanto a gente come por comer, por não ter nada melhor pra fazer. Descobri como a comida funcionava como forma de procrastinar e de amenizar a minha ansiedade em momentos cruciais, onde eu precisava resolver coisas e mais... eu sabia disso. e foi exatamente pra quebrar essa parada que eu decidi encarar o desafio.
.
Então, hoje, exatos 4 dias depois de parar com o Whole30, penso que vou retomar o programa. Eu devo voltar a tentar os 30 dias novamente mas, acho que não agora. O meu objetivo, nesse momento é fazer com que as escolhas que passei a fazer nesse período, sejam a minha escolha padrão: fazer arroz de couve flor ao invés de arroz normal, por exemplo. De ter frutas secas, frescas e castanhas em casa ao invés de jujubas, bolos e biscoitos. Estender vários desses hábitos pros meus filhos que, não ficam proibidos de nada disso na rua ou nenhum lugar mas, que a alimentação base deles venha naturalmente, sem forçar a barra, de outra forma.
.
.
Nesses 4 dias, eu enfiei o pé na jaca. Não fiz a reintrodução alimentar e acabei passando mais mal comendo "coisas normais" do que eu estava passando sem elas. Então, vou voltar de leve e ir vendo o que acontece.
.
Vou comprar o meu livro e criar minhas receitas, dedicar um tempo desse comigo mas, sem exagerar.
Sem me privar de momentos bons com pessoas queridas.
Comida não deve ser engano mas, também não deve ser sofrimento.
Nada deve ser engano, nada deve ser sofrimento.
Se há algum desses ingredientes no dia da gente, o melhor a fazer é mudar de direção.
Curti ter um livro de receitas, ir atrás de ingredientes, temperos, cortar e preparar as coisas com antecedência, sabe?
Porque tem isso: a gente acaba arrumando a nossa própria comida, do começo ao fim e acaba dedicando algo de "arte" à preparação dos pratos e depois tem vontade de "expor" por aí. Quando a gente vê, nosso instagram fica lotado de #instafood...
.
é isso. seguimos.

Bom, eis que chegou o final do ano.
Nem registrei aqui mas, tô fazendo uma dieta, um detox, uma reeducação alimentar.
Algo que beira o radicalismo mas, enfim, um dia de cada vez.
E me bateu uma vontade no final do ano de ficar quietinha mesmo, bem quieta e deixar as coisas acontecerem. E foi o que eu fiz, basicamente. Deixei acalmar. Resolvi ficar na minha.
.
.
Kids de férias. Eu nas férias forçadas.
Entreguei o filme, finalizada a missão, a saga.
Agora, só resta deixar mesmo o ano passar.
.
.
2016 foi um ano de muito crescimento, muitas descobertas, muita entrega.


Me reconheço hoje como nunca o fiz antes.
Dei um salto quântico interno rumo à auto-descoberta, auto-aceitação e finalmente posso afirmar que saio desse ano muito melhor do que entrei. Chega a hora de sair pro mundo, de expandir, de articular.
Não carrego mais culpa.
.
Compreendo e sou capaz de visualizar e assumir minhas responsabilidades.
.
A procrastinação não me escraviza mais.
Nem o cansaço da quádrupla jornada.
Nem as notícias desalentadoras que o mundo produz em cada segundo...
.
.
Não tem dificuldade que me barre, sou resistente, sou resiliente, persisto.
Sou consciente que as maiores barreiras são impostas pelo meu ego e pelo meu cérebro.
Não tem abandono ou indiferença que me afete, sou a melhor companhia a mim mesma e meus filhotes, companheiros de jornada.
Não tem injustiça que me mantenha indiferente: não me calo, não passarão.
.
.
Tudo que quero é
O AMOR,
A TOLERÂNCIA,
O RESPEITO
.
Pratico. Semeio.
.
Eu sou capaz de alcançar meus sonhos.
A vida me presenteia de bençãos tutti i santi giorni e faço minha parte pra ter energia pra chegar lá.
Prometo que paro de reclamar e que combaterei a ansiedade :-)
.
A felicidade reside no processo, no caminho, não é?
Cabe a nós ajustar as lentes com as quais vamos examinar o mundo para trabalhar com as ferramentas que nos estão dispostas em cada fase.

O êxtase sim, está no destino final.
Mas ainda não cheguei lá, então...
Pra 2017, estarei atenta:

#CarpeDiem
#Serendipity
#FearIsALiar
.
.
Lá em Los Angeles, também, escrevi muitas cartas.
.
Uma delas foi pro pai dos meninos, com quem ainda tenho essa relação ultra conturbada, principalmente porque ele não me perdoa de jeito nenhum por ter pedido a separação. A nossa relação ficou muito ruim e parece que o tempo separado quer apagar todas as coisas maneiras que rolaram nos nove anos que tivemos juntos.
.
Eu compreendo que ter tomado a decisão e também ter feito isso de maneira tão incisiva e sem volta atrás, seguramente deixaria qualquer um chocado, magoado e tal. Mas, ele se envolveu tão intimamente com essa dor que hoje a mágoa e a raiva por mim, parece ser o que o mantem vivo. Não tem texto, não tem frase, não tem diálogo onde ele não queira e não tente me deslegitimar, me jogar a dor que ele sente pra cima de mim.
.
Então o que eu pude fazer, pra ver se bloqueio mesmo essa onda e neutralizar um pouco melhor a passagem de tudo isso pelas crianças, eu fui pra Los Angeles incubida da missão de escrever uma carta pra ele.
.
Escrevi uma carta que não mandei.
E não sei se vou mandar.
Mas, eu tive vontade imensa de publicar aqui nesse diário.
.
Eu vou pensar ainda a respeito mas, por hora, vou juntar essa carta à outra que escrevi a mim mesma.
.
.
.
Ou vão me dizer que não se lembram que tenho o hábito de escrever cartas pra mim?
hahahahah
Então, as cartas que escrevo pra mim desde 98 continuam na saga.
Olha, vai dar 20 anos de carta pra si mesma. Que genial!
Que genial registro de mim mesma, eu não perco a minha linha de evolução.
E admito que pra uma pessoa ansiosa como eu, fazer algo assim, é realmente genial.
.
.
.
Então, ainda teve uma outra carta que escrevi com tudo que eu descobri sobre mim mesma e sobre a vida e de objetivos que tenho pros próximos anos. Uma carta lembrete pq pude, novamente, visualizar uma parte de mim que fica escondida quando tô envolvida nos perrengues da vida.
.
.
E cara, é muito bom quando a gente contata a gente mesmo.
É muito bom quando a gente contata aquele cantinho da nossa alma que nos confere identidade, nos faz sentir em casa, nos faz rir espontaneamente, nos faz ter vontade de abraçar o mundo e nos permite nos sentirmos fortes. Fortes porque estamos tranquilos. Fortes porque não estamos fazendo força alguma.
É muito bom quando a gente pode e tem o privilégio de ter contato com essa parte da nossa alma, da nossa existência.
.
E é muito importante a gente não perder o registro e a referência de quem a gente REALMENTE É e do que a gente REALMENTE PODE FAZER e tanto quando é importante a gente REALMENTE se lembrar e manter em foco, TODOS OS NOSSOS SONHOS E DESEJOS, por mais impossíveis que eles possam parecer.
.
.
Então, eu anotei tudo tudinho e escrevi ainda uma outra carta pra mim.
Pra eu não esquecer.
E pra eu não temer, porque eu aprendi que eu não preciso do medo.

EU NÃO PRECISO DO MEDO PRA EXATAMENTE NADA.
.
.
E assim seguimos.
Parece que o ano vem terminando, seguindo numa outra contagem do tempo.
E eu gosto da forma como está terminando.
Eu me sinto calma.
Tranquila pra fazer coisas que nunca fiz antes.
Estou caminhando por lugares não explorados.
E aí reside a graça da vida...
.
.
No caminho, na jornada.


O corpo voltou.
A mente chegou uma semana depois.
Mas, o espírito levou umas duas semanas e a junção de tudo deu esse baque.
De repente, a solidão. De repente todo um processo de baixa de energia e um momento breve de perda de visão do que está a frente. Exatamente como o frio que a gente sente quando o sol vai despontar no horizonte assim que o sol tá pra nascer.
Não é que crianças e velhos sentem febre ao anoitecer e ao amanhecer?
Essa é a hora derradeira do tal desamparo.
.
Mas, a questão é que a gente tá desamparada não.
.
.
é só um processo, um engano, uma impressão e mais que isso, um momento.
.
.
ao menos no meu caso, eu to de pé, tô firme, tô bem.
foi só o processo de estar lá, certamente. sempre mexe muito comigo, com meus sonhos, com a minha estrutura mental, com a estrutura física. então, dentro desses processos muito doidos que eu to vivendo há anos, dentro de tudo isso, foi quase uma outra viagem astral... praticamente um desdobramento. e eis que tanta e muita coisa aconteceu num espaço de tempo tão curto e com essa impressão de que nada sairia bem, nada daria muito certo e mesmo tendo tanta insegurança, consegui fazer tudo direitinho, como se eu realmente estivesse quase no topo.
.
.
então juntou tudo aqui.
e agora é preciso caminhar.
não dá pra lamentar o futuro que não veio ainda. nem o passado que não foi escrito.
tem trabalho pra burro pela frente, tem coisa demais pra se fazer.
.
.
esa viagem, não serviu apenas pra eu entender onde posso chegar.
não serviu apenas pra eu ver onde está a vibração dos meus desejos, possibilidades e do que posso atrair pra perto de mim. não serviu apenas pra eu compreender que sou capaz DE VERDADE.
.
serviu pra corroborar o que eu já sei porque já me foi apresentado:
EU SOU CAPAZ DE FAZER E REALIZAR QUALQUER COISA QUE EU QUEIRA.
.
.
Sou visionária. Sou pioneira. Estou na abertura dos caminhos.
Essa solidão é parte, é temporária. Eu tenho companhia. Inúmeras companhias.
A primeira delas, sou eu mesma. E assim, segura e seguindo, posso ir me juntando aos outros.
Aos meus pares. Eles estão em todas as partes.
.
.
E é assim que vamos mudar o mundo. É assim que já estamos preparando o planeta pra algo diferente e melhor. A gente tá passando pela alvorada. Vai parecer que estamos sendo esmagados mas, isso é impressão, apenas esse struggle de energia que breve se abrirá pra uma manhã linda, fresca e cheia de luz.
.
.

Tem algumas noites que a solidão me agarra e a única coisa que eu penso é em tentar entender "por quê?"
Eu acho que eu me blindo, eu sinto isso.
Eu acho que eu não mereço, apesar das constantes luta, ainda sinto que não mereço.
Eu acho que não me sustento com apenas uma escolha.
Eu tenho medo de fazer uma má escolha.
Hoje em dia, eu acho que é mais isso, do que nada.
Na perspectiva de fazer uma má escolha, não faço escolha alguma.

E é assim que o destino vai me presenteando com leves e pequenas (mas total insatisfatórias) amostras de como o amor pode chegar pleno se a gente estiver disposto a viver uma boa história. Às vezes eu acho que é tão egoísta de minha parte querer que alguém apenas me ame, que eu fico na defensiva achando que é realmente isso aí: DEVO SER PLENA SEM TER ABSOLUTAMENTE NINGUÉM. E ponto. Me esforço para estar sozinha. Olha que lógica contraditória.

Mas, tem esses dias que a solidão se personifica e entra na minha casa, se agarra a mim e é minha única companheira. Passa a noite ali ao meu lado, me fazendo companhia. Calcule.

Eu não acho que isso seja justo, ok?
Ela não é boa.
Ela me faz sangrar.
Me faz doer.
Me faz duvidar da minha coragem.
E me faz não querer dormir nem querer nada com nada.
E é por isso que agora, às 5 horas da manhã, eu dou voltas na minha cama... vejo netflix... assalto a geladeira... pra poder ter a sensação de que sozinha eu não estou. Disfarço.

Confrontar a solidão e aceitar sua companhia é um ato extremamente dolorido.
Ela não é legal. Não é cool.
E além de tudo, entrega a conta da incapacidade que temos de controlar isso, numa esfera muito profunda. Afinal, ter companhia é fácil. Não se sentir sozinho é que é a grande sacada!

E eu não quero me enganar.

Eu tenho consciência de que preciso de espaço, preciso de individualidade e que sou uma pessoa abençoada e rodeada de pessoas que me querem bem, que me desejam o melhor e que, ao mesmo tempo, vibram com a minha força e com as minhas conquistas cada vez que elas chegam. São amigos, são companheiros de vida, de trabalho, de visão de mundo. Tem gente inclusive que nunca vi pessoalmente, tem gente que vi poucas vezes. A solidão, desse ponto de vista, fica pequena, perde o poder que dentro da noite avançada em meio a um seriado e outro acompanhado de uma taça de vinho, insiste em sussurar besteiras no nosso ouvido. É nisso que me prendo e me agarro quando a dor de estar só vem.

Essa dor é uma mentira.
Eu acho que tem uns gatilhos pra essas crises acontecerem.
Esse ultimo relacionamento deve ter sido um deles.
Foi uma promessa breve de felicidade, uma amostra grátis de parceria.
Esse homem companheiro, cuidadoso, bonito, bem humorado, bom, conversador, inteligente e louco como eu, ele mexeu comigo. E a distância somada às mulheres louras (carma) nos colocam muros de espaçamento. A realidade e o sonho me escorrem pelas mãos.

E é isso. Vai passar, tá tudo bem.
A noite vai passar. Amanhã vai chegar.




Eu acho que eu e Stu nos encontramos mesmo pra fazer um tipo de desdobramento das nossas realidades. Ele, que está de volta com a namo (com quem ele faz belo casal) e eu, às voltas com affairs da minha solidão, pudemos perceber que níveis de realidade podemos alcançar.

Pensei, por um tempinho, que fosse algo apenas meu mas, só pelo meu hábito de achar que eu sou sempre a cocô do cavalo do bandido e na verdade, nem sempre, é algo assim. Ao contrário. Me lembro ainda de ele me dizendo que me conhecer o fez perceber como ele poderia vivenciar momentos bacanas como aquele que a gente estava vivendo, que nosso encontro era uma prova de que ele poderia estar aberto a conhecer pessoas maravilhosas como eu.

Ele saiu da realidade dele, para aprender isso comigo.

Eu, por minha vez, ao conhecê-lo, percebi como eu posso me deslocar por momentos bacanas como aquele que a gente estava vivendo. Que era uma prova de que eu poderia estar acompanhada, segura, espontânea e feliz de estar com pessoas maravilhosas como ele.

Eu saí da minha realidade pra aprender isso com ele.

Seja lá como for, foi demais tudo aquilo. A gente se divertiu muito apesar das partes viajantes (e estranhas) que tivemos. E eu tive as provas concretas de que meus padrões mudaram completamente. Completamente. E que estar espontânea e aberta a um relacionamento, poderá ser parte da minha vida logo em breve.

Seria muito bacana se fosse com ele, hahahah Seria genial, um casal muito maneiro. Mas, isso não cabe a nenhum de nós controlar. Eu tenho um trabalho muito árduo ainda pra realizar e não me vejo em grandes motivações com relacionamentos por um ano mais, pelo menos. Mas, bem, eu também não sou quem diz. Aberta estou. Aberta a relações como essas: leves e felizes, de somatória, de companhia e de admiração mútua.

Tenho muito o que falar sobre o meu estado mental e emocional atual e a comparação que faço com o ambiente que fui criada, para mim, bastante repressor apesar de a repressão ter partido muito mais de super proteção do que de maldade. Veio de podas, mais do que más-intenções. Aquele medo de pais que não querem ver seus filhos se darem mal mas, acabam passando da onda. Ao menos eu soube o momento de desatar a corrente e minha mãe me cedeu as chaves. O vôo não foi fácil mas, cá estou eu planando entre esse ambiente às vezes difícil.

E cheia de referenciais para a criação dos meninos.
Enfim. É isso.
Vamos pra próxima.
Ao mesmo tempo em que sou chamada a retomar a minha sanidade (forte né?), meu senso de realidade puxa pra um oporto interessante. Todas as teorias da conspiração parecem verdadeiras quando a gente se depara com a realidade que estamos agora.
Vim pra uma reunião no Centro do Rio e o que vejo: A GUERRA.

Eu não sei se em 2013 foi assim.
Se em 2014 foi assim.
Minha vida era o caos naquele momento e eu me lembro de vibrar mas não poder estar por lá.
Eu precisava sobreviver.
E nas manifestações em que estive em 2015 e 2016 não teve isso. Era tudo aglomerado. Mas, pacífico. E enfim, de qualquer forma, hoje, eu estava indo pra uma reunião.

Era pra ser um meeting.

Era pra ter uma gravação.

Apesar do entorno caótico de conseguir me localizar melhor geograficamente, emocionalmente, mentalmente....

O Rio que vejo agora, não mais o reconheço.
As imagens que vi hoje me remontaram à São Paulo de 99 nas manifestações na frente da BOVESPA mas, nem ali, o ESTADO reagira com tanta agressividade. O ESTADO (re)AGIU com muita MUITA agressividade.
.
.
A população está rebelada, estão trabalhando e estão sem salários há tempos.
Recebendo o que é devido aos pingos.
Esquece-se que nesse país, nessa cultura, o trabalho e o salário são motivos de resignação e de orgulho então, o que acontece com as pessoas quando elas tem um e não tem o outro: perderam a estabilidade sem prévio aviso. E estavam rebeldes em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro porque não tinham mais a perder. E o ESTADO reagiu. Mal. E tiveram resposta. Então, de repente parecia batalha campal.
.
Eu, fui tomada por um sentimento e vesti a camisa da indignação.
A Keila jornalista correspondente internaciona de guerra tomou conta de mim e do meu celular e eu dimensifiquei essa realidade da forma que pude. Simplesmente, não saí dali. Mas digo, Não foi bonito.
.
Na saida pra casa, me deparei com a festinha  fofa do MST com funk e organicos baratos.
Àquela altura eu já não dava conta de tanta discrepância. De tantos paradoxos.

"O mundo está ao contrário e ninguém reparou" era uma letra de música e se tornou uma constatação.
Simples assim.
Só 3% de bateria.
Enquanto isso escrevo esse texto.

Eu sinto que voltei ao meu lugar de normalidade. A cabeça, o corpo e a consciência agora dão conta do quanto estou na esfera do normal e não mais do que eu considero ideal, incrível e absoluto. 

Calço tênis que me queimam os pés e que possuem furos nas pontas. Eu acho que mereço novos sapatos mas assim é também com meus filhos e se eles não têm, eu também não tenho. Cuido pra que esse sentimento de mediocridade não tome conta de mim: isso não tem a ver com arrogância. Isso tem a ver com auto piedade, com auto sabotagem e com auto flagelação, um esforço por estar pior do que se pode estar , sem nenhuma necessidade de ser assim. 

Cheguei brilhando na maravilhosidade e aqui a realidade me oprime: a luta por trabalho, o peso das escolhas com o ex marido, o desafio da responsa das duas vidas que tenho comigo. Sem contar com a generosidade com que eu adoraria poder contemplar minha mãe, pai, irmãs e sobrinhos. Pensar neles é pensar no pesar e na impotência de não poder transformar todas as realidades.

Superpoderes.
Sei que tenho alguns e já os uso. 

Queria ainda ter outros que pudessem consertar efetivamente as realidades. Muita inocência dizer isso. Pra não dizer, prepotência!!!

Agora 1%.

Breve pensamento interrompido. 
Eu só quero não esquecer o quão maravilhosa eu sou e o quão incrível posso chegar a ser principalmente se as condições estiverem razoavelmente favoráveis. (Não venham com lugar comum -tipo "assim, todo mundo consegue" - isso não acrescenta).

Quero lembrar das ferramentas que tenho.
Quero lembrar dos conhecimentos que tenho e, principalmente, de todo conhecimento que ainda está por vir, do que posso fazer e render.

(Bateria è finita)
A passagem por Los Angeles, dessa vez, me deixou marcada com uma palavra: Serendipity. Direto no coração e no cérebro.
.
Não se traduz pro português, tem significado relacionado às coisas boas que acontecem sem motivo aparente. E desde sempre essas coisas me acontecem. Só não tinha como nomear. 
.
Foram inúmeros aprendizados, contatos, amigos revisitados, amigos que me ajudaram, acontecimentos incríveis... eu, alcançando coisas/pontos/feitos que nunca imaginaria ter alcançado!
.
Eu estou decidida a continuar, sem parar e apesar do medo que fica querendo impedir o curso de seguir normal... O medo aliás, já não tem mais o controle e a direção da minha vida.
.
A culpa, por sua vez, fica rondando à espreita, esperando qualquer brecha pra entrar e abrir a porta pro medo. Ambos, juntos, podem provocar grandes estragos.
.
Então, a minha escolha é por seguir no caminho das felicidades e alegrias inusitadas, pequenas e grandes que se apresentam em meu caminho.
.
Meu cérebro prossegue ativo. Meu coração caminha mais calmo na certeza de que as coisas vão acontecer e se conciliar, exatamente no tempo em que tiverem que se conciliar.
.
Diferentona? Sempre fui. E essa é a minha melhor qualidade, o que gera todas as outras. Não me escondo atras de desculpas, faço mergulhos profundos, me lanço a desafios inimagináveis. A vida pra mim, só tem graça assim.
.
Meus filhos se juntam a mim nessa aventura e eu seguirei na missão de protegê-los e encaminha-los pro bem, no matter what.
Mamãe está indo viajar.
Tem um sentimento esquisito aqui porque eu queria muito ir juntinho de vocês.
Ou seja, eu vou morrer de saudades. 
Ao mesmo tempo, eu sei que, pra vocês irem comigo, teriam de ser outras condições.
Não só nossas.
Seu papai talvez tivesse de ser outro e até teria de ter outro dinheiro.

A mamãe entrou apostando bem alto aqui.
Digo isso porque produzir essa viagem foi um grande risco.
Parcelei meu aluguel (o nosso né?) e estou indo sem seguro dos homens, contando com a proteção dos protetores que me guiam.
E com dinheiro contado.
Essas coisas não se fazem mas, às vezes, a gente calcula riscos pra fazer certos movimentos.

Vou pegar meu ônibus pra São Paulo agora.
À noite, vôo para Los Angeles. A gente conseguiu vôo direto, sabia?
Vai ser bem rápido.
E como a mamãe ama aquele lugar...
Trarei muitas novidades, certamente.
Quero muito que vcs conheçam aquela parte do planeta.

Breve viajaremos juntos.
Vamos conseguir os papéis com o juiz, vamos ter o dindin pra comprar muitos presentes.
Quem sabe a gente não se muda pra uma dessas cidadezinhas também?

Bem, crianças.
Fiquem bem.
Tenham juizo e obedeçam a madrinha e a querida Coca.

Ah!
Não sei exatamente o que vai vir de tudo isso, bebês…
Mas espero que seja apenas coisa boa. 
Dá um pouco de medo. 
Mas é mais um frio na barriga. 
Eu só quero dizer algo pra vocês. 
Eu só quero que entendam algo bem no profundo da suas almas.

Eu amo vocês.

Vocês são meus anjos.
São a minha fonte de equilíbrio.
Referencial para crescer.

E eu sempre vou estar aqui, ali e aí para vocês. 
Tudo que faço é para vocês, por vocês.

♥ observação: coloquei essa foto porque sei que um dia se vocês lerem esse blog talvez se lembrem do quanto curtem ver fotos de gatinhos bebês fofos. 

Essa sexta feira foi um dia muito esquisito. Mas, foi esquisito de bom. Tenho tido alguns esclarecimentos das coisas que eu mesma acabo ficando admirada e até orgulhosa de mim.

Meus meninos estão doentes. E eu fico tentando pensar objetivamente o que pode estar acontecendo. Ontem passamos o dia no posto e hoje estão febris. Foi diferente das outras vezes onde a febre só durava um dia e de repente ia embora. Algo os está pegando.

Talvez aquelas vitaminas gringas? Eu também adoeci após começar a tomá-las. Vou conversar com eles amanhã sobre suspender, ao menos por um tempo.

Mas, o grande ponto do dia foi conversar com o Vitor.
Sim.
Ele.
Ele teve a manha de encontrar esse blog aqui e reler.
E chegou até àquelas partes todas, um pouco malucas, onde eu falava do meu processo, da minha vida, onde eu drenava todo aquele sentimento que eu não conseguia administrar e nomear, por ele.
E aquilo foi a uns 13, 14 anos.
E, sabe o que é muito louco?
É realmente como se como se fosse ontem.
Como se não tivesse passado um segundo sequer.
Como se não tivesse esse mundão de histórias das nossas vidas no meio.
E eu respeito tanto isso: nossas histórias.
Elas são as melhores coisas, as melhores escolhas que pudemos fazer e que fazemos todos os dias.
E mesmo assim, ainda existe esse cordão imaginário que nos une.

Porque fellows...
De alguma forma eu consigo dizer pra vcs que.... caralho.... puta quel pariu.... eu não sou louca.
Existe reciprocidade.
Existem, obviamente as diferenças de personalidade, de forma de observar as coisas.
Existem as histórias, as possibilidades e as
Mas, isso não importa.
Existe reciprocidade.
Como algo que se complementa mesmo.

Ok. Vejam.
Não tem nada disso dessas fantasias malucas de "vai, agora sai correndo atrás do seu amor" ou coisas do gênero, hahahaha.
Isso é maluquice.
A sensação é que, cada um na sua, estamos bem.
E estamos mesmo. Mas, existe a reciprocidade. E isso ao mesmo consome, mata, vive, alimenta, relembra, fere, aninha, esquenta, gera dúvidas... o diálogo nos traz certezas.

E enquanto eu escrevo isso... eu sei que se ele ler isso aqui, ele vai concordar comigo.

E, cara... ver que a pessoa que vc considera o amor da sua vida (nunca consumado, sumariamente interrompido) também pensa que vc também é alguém que... sério, nem me arrisco a completar o raciocínio, porque... é algo muito louco.
E lidar com isso de forma tão positiva... É esquisito.
É por isso que hoje foi esse dia estranho.

Sabe... eu continuo sendo uma pessoa muito sensível apesar de hoje estar muito segura pra dizer que me sinto, finalmente, uma muralha. Continuo sensível e trazer esse assunto todo à tona me traz muita emoção. Me faz chorar. Não dói mas, me emociona. Como as histórias corriqueiras da vida, como as histórias corriqueiras de amor profundo e sincero e das conexões que fazem as coisas terem pleno sentido.

E eu me emociono demais. Essa é a minha história. Seja lá o que digam. Essa é a minha história.
E, bem ou mal, é uma história bonita pra caramba.
Puxa vida, hoje foi um dia bem feliz.
Sabe, daqueles em que a gente fica orgulhoso da gente mesmo?
Pois bem, hoje foi um desses.

Eu, que achei que eu não era capaz de muita coisa... Hoje vivi algo muito especial: vi uma ideia se concretizar! Uma ideia que era minha:
Que eu pensei,
idealizei,
agi e
concretizei.
E deu certo!

Claramente, já vivi outras coisas antes, várias delas.
Mas, dessa vez, rolou fluido, rolou maneiro, sabe?
Rolaram parcerias e houve engajamento por parte de outras pessoas. Tanto online quando presencialmente. Ou seja....
Tô feliz pra caramba.

Há dois anos, eu visualizei o Café com Pós, encontros mensais de pessoas ligadas à área de Pós-Produção. Pensei em fazer em casa, pensei em fazer numa faculdade, pensei em milhares de espaços e formatos e dessa vez, a parada tomou vida e simplesmente aconteceu.

E eu posso dizer que a ideia foi minha.
Bato muito nesse ponto porque eu preciso me conscientizar de que sou uma realizadora.
E que eu posso sim, me orgulhar de mim.
Eis que me encontro doente, gente?
Um monte de ziquizira e eu sendo praticamente obrigada a olhar e cuidar de mim.
Ainda assim, tive que dar jeito de ir pra São Paulo no começo da semana e me organizar com o job do Rio. Não posso negar trabalho, ainda mais trabalho que me dá tesão de fazer.
Ter como pagar o aluguel e as contas é algo que me deixa feliz. Poder comprar uma paradinha pros meninos também. Enfim. Vamos olhar pra frente, ter perspectivas.
.
.
.
.

Obviamente, ficar doente não faz parte dos planos. Principalmente quando se fala em perspectivas.
.
,
Mas, é só assim que eu me dou conta do quanto gasto dedicando aos outros AINDA e qual a medida do foco que tenho em mim. Muito pouco, gente, muito pouco.

Então, é hora mesmo de pensar em como resolver isso mesmo em meio a tanta coisa que precisa ser feita por nós. E é por isso que se confirma pra mim, a tese de que namorado agora, é mal negócio. Não dá pra eu pensar em ninguém, em ter ninguém, em ficar com ninguém. O que não for foco dos meninos e das atividades laborais, tem que ser pra MIM, MIM, MIM. Não quero estar SICK, SICK, SICK, pra sempre.

Espero que eu melhore.
Previous Post Older Posts Home
jQuery(document).ready(function(e) { e(".article_slider").owlCarousel({ autoPlay: 1e4, slideSpeed: 400, singleItem: true, navigation: false, pagination: true, }); }) $(".popular-posts .item-thumbnail img").attr("src", function (e, t) { return t.replace("s72-c", "s180-c") }); $('.popular-posts ul li .item-snippet').each(function(){ var txt=$(this).text().substr(0,150); var j=txt.lastIndexOf(' '); if(j>10) $(this).text(txt.substr(0,j).replace(/[?,!\.-:;]*$/,' ...')); }); $(document).ready(function(){ var smooth_scroll = $('#smooth_scroll'); //Click event to scroll to top smooth_scroll.click(function(){ $('html, body').animate({scrollTop : 0},800); return false; }); var menu_toggle = $('a.vt_menu_toggle'); menu_toggle.click(function(){ $("ul.blog_menus").slideToggle(); }); }); //]]>